o horóscopo e as notas do perfume.

Antes de começar este texto, notei que em pleno dia 9 ainda não li todo o meu forecast de maio no astrologyzone.com (site da astróloga queridíssima, Susan Miller) – eu disse “todo” porque costumo lê-lo por partes, para conseguir apreender tudo que os astros revelam, e não é pouca coisa! De qualquer forma, já estou bem orientada pela fofíssima Maina Mello (eu me sinto amiga das minhas astrólogas preferidas).

Se você não acredita em horóscopo e nem que os astros podem influenciar a nossa a vida esfarelada aqui na terra, tudo bem, pode clicar aqui. Mas, se você acredita, vou te contar a história do perfume.

Outro dia eu estava tentando explicar para uma amiga o que significa ascendente, signo solar e a lua no mapa astral. Repentina e astutamente meu cérebro me levou a comparar o mapa astral de uma pessoa com um perfume e suas notas aromáticas (se alguém já fez isso eu juro que não sabia). Funcionou, ela entendeu e agora eu tenho que dividir essa metáfora maravilhosa com vocês.

  • Ascendente

É a nota de topo, a primeira impressão do perfume. O seu ascendente é a primeira impressão que você passa para as pessoas, mas que não necessariamente reflete a sua personalidade. É como a gente se mostra para o mundo quase que sem querer. Sabe quando alguém comenta, “nossa, achei que você era timida”? Isso geralmente é reflexo do seu ascendente. Uma aparência que às vezes engana.

  • Sol

Nota do coração, seu aroma é sentido após 30 minutos. Meia hora de conversa é suficiente para uma pessoa observadora captar os sinais do signo solar de alguém. Este tem a ver com a essência e as características mais marcantes. Quem tem uma amiga leonina sabe quem em meia horinha de conversa ela solta um “porque eu sou maravilhosa” ou algo parecido. A aquariana, por sua vez, acaba deixando escapar sua preocupação com um bem maior ou algo do tipo.

  • Lua

Nota de fundo, percebida depois de 2 horas. Essa é a Lua, ela representa os sentimentos, questões afetivas e emoções. Costuma aparecer um pouquinho mais tarde, com a intimidade. A lua faz toda a diferença no mapa. Eu sou aquariana com ascendente em leão e tenho lua em câncer – isto é, sou desapegada, prezo a liberdade, pareço mais confiante do que realmente sou e, apesar do desapego de aquário, tenho um coração super maternal.

Os signos são como as fragrâncias e cada pessoa é um perfume diferente, elaborado a partir de uma mistura única que começa no dia do nascimento, mas que acaba sendo influenciada todos os dias: pela vida, pelos astros, pelas pessoas.

Quer falar mais sobre isso? Então vem!

my blueberry day.

O meu inferno astral não poderia ser mais caricato: esse momento sabático em que os astros querem me fazer refletir e me preparar para uma próxima etapa vieram com nada mais do que uma viagem para Petrolina para o meu namorado. Para muita gente pode parecer bobagem quando eu disser que ele viajou na madrugada do sábado e voltará no próximo domingo. Mas, como nós moramos juntos, será uma eternidade de solidão.

Hoje já foi um dia bem dramático: primeiro eu assisti Star Wars IV, podem me xingar, mas foi a primeira vez. Eu gostei. Depois eu comecei o livro do desafio literário, Orgulho e Preconceito. Em seguida, dei uma pausa para assistir My Blueberry Nights enquanto esperava o meu temaki e as minhas trouxinhas de salmão – foi a última coisa que a gente comeu juntos antes de ele viajar :( Quando foi escurecendo, na melhor e pior parte do dia, que é quando eu sofro porque o dia está indo embora (ah, gente, o crepúsculo é muito lindo), senti vontade de comprar cigarros para matar as saudades. Gente, eu deveria ser de Câncer e não de Aquário.

Nossa, quanta melação. E nada de reflexão, nada de pensar na vida. Aliás, também não tenho ideia no tipo de coisas que eu poderia estar pensando, solucionando. Meu humor continua estranho, mas ainda culpo a TPM.

Para temperar esta mini fase excruciante, nessa semana que passou, uma amiga me fez a pergunta bombástica: “quais são os planos?”. Eu respondi que não tenho nenhum, que estou ok. Ela rebateu como algo como “e Paris, NY…?”. Impressionantemente, não me senti estagnada ao responder que estou apenas feliz do jeito que estou, só pensando em fazer cursos de línguas, nada de mais por enquanto.

Talvez o momento seja de aprender a se sentir feliz independentemente das coisas externas, de aprender a olhar para dentro das coisas. Isto significa que a busca por novidades e crescimento pessoal devem ter um novo significado daqui para a frente. Eu ainda não tenho ideia de qual seja, mas parece que terá muito menos a ver com plenitude e me deixará muito menos angustiada. Talvez o que eu penso sobre felicidade esteja mudando, talvez esteja deixando de ter a ver com ter sempre algo incrível em mente para realizar. E talvez o inferno astral não seja para pensar, e sim para sentir.

Ok, meu amor. Já pode pegar um avião e voltar para casa.
Acho que vou ver Moonrise Kingdom enquanto você chega.

inferno astral.

“Marte já inicia o mês em Capricórnio, o que pode estar comprometendo a sua vitalidade, lhe deixando mais desanimada apesar dos bons prognósticos, mas quando o Sol ingressar, aí você precisará mesmo de mais introspecção, porque terá início um processo de auto-transformação pessoal, do ano velho para o ano novo”, www.mainamello.com.br/blog/aquario.

Se inferno astral fosse uma doença, os sintomas seriam: azar, depressão e angústia. Alguns magos astrólogos dizem que esse período de 31 dias que antecede o seu aniversário ainda serve para deixar a saúde mais fragilizada. Para nós aquarianos, é melhor tomar cuidado. Eu desconfio que essa combinação de saúde frágil e azar talvez sejam um boicote proposital para obrigar o isolamento e reflexão. Pfff.

E o pior é que não é psicológico, pode até ser coincidência, mas estou cheia de angústia. Talvez porque estou precisando aguardar e estudar território – o que me deixa ainda mais impaciente para introspecção. Confesso que a vontade que dá é de focar nas distrações e esperar que os astros limpem a trilha da minha estrada de tijolos amarelos.

Enquanto isso, vou ficar esperando pelo dia 30 janeiro, meu 25º verão.